Obrigada pela sua visita. O blogue dailymodalisboa.blogspot.pt vai ser desativado em breve. Todos os conteúdos estão agora disponíveis no site www.modalisboa.pt, para onde vai ser redirecionado.


Thank you for your visit. Dailymodalisboa.blogspot.pt will be disabled soon. All contents are now available on the website www.modalisboa.pt, to which you will be redirected.






quarta-feira, 24 de setembro de 2008

PETER DUNDAS NA EMILIO PUCCI

Peter Dundas foi nomeado novo director criativo da casa Emilio Pucci. O contrato de Matthew Williamson com a casa italiana expira no final deste mês e o designer britânico decidiu abdicar do seu posto para se concentrar exclusivamente no desenvolvimento da sua própria marca.

Peter Dundas, que abandonou a Emmanuel Hungaro no ano passado para assumir a direcção criativa da empresa Revillon, toma posse do seu novo cargo na Pucci no próximo dia 1 de Outubro. Depois de trabalhar com Christian Lacroix e Roberto Cavalli, o designer está decerto preparado para trabalhar os estampados psicadélicos e coloridos de Emilio Pucci.



Emilio Pucci é especialmente recordado como o criador de estampagens geométricas multicoloridas, muito em voga nos anos 60, mas a sua contribuição para o mundo da moda foi muito mais expressiva. Pucci revolucionou a moda dos anos 50 com um conceito inédito, a união entre vestuário formal e desportivo, e transformou-se num fenómeno em todo o mundo.

O ano de 1967 ficou marcado pela chamada "puccimania", que se estendeu pela década de 70. A sua imagem de moda vanguardista colocou-o entre os grandes criadores dos anos 60 e 70. Pucci evidenciou a identidade da mulher com as suas inovadoras peças pintadas, estampadas e bordadas, produzidas com novos materiais. Além de estampagens únicas, o designer italiano criou também vários tecidos, como o jersey de seda, por ele patenteado como “Emilioform”.

Nos anos 80, assistiu-se à renovação do chamado "Made in Italy", impulsionado pelo desejo de profissionalismo e pelo retorno aos tecidos clássicos e naturais. O pronto-a-vestir ganhou força e surgiu o conceito de “fashion designer”. Estavam em voga as peças estruturadas com decorações sumptuosas e a marca Pucci voltou a criar roupa sofisticada com tecidos nobres e estampagens geométricas em tons pastéis.

Emilio Pucci recusou-se, no entanto, a descentralizar a sua produção. O seu gosto pelo trabalho de artesão fê-lo transformar o seu negócio num laboratório de pesquisa.

Emilio Pucci faleceu em 1992, mas ainda assistiu a um regresso imprevisto das suas criações às páginas das principais revistas de moda.
Em 2000, a sua marca passou a ser controlada pelo poderoso grupo de artigos de luxo, LVMH. O nome Emilio Pucci voltou, desde então, a figurar entre as mais importantes etiquetas de moda italiana e integrou o calendário da Semana de Moda de Milão.

1 comentário:

CHAPLIN disse...

Sempre admirei muito a Emilio Pucci, e não compreendo o porquê de não ouvir (ou ver) falar mais vezes sobre a mesma. Pelo menos não conheço uma marca do género que se tenha destacado tanto mundialmente como a Pucci o fez, só por isso acho que merecia mais respect.