quinta-feira, 12 de junho de 2014

LOEWE PRESTA HOMENAGEM A LILLIAN BASSMAN



A Fundação Loewe presta homenagem à icónica fotógrafa de moda, Lillian Bassman, com a apresentação de uma grandiosa exposição que reúne uma seleção de imagens representativas dos distintos períodos da sua carreira artística. Intitulada “Lillian Bassman. Pinceladas”, a mostra está patente até 31 de agosto na Calle Serrano 26, em Madrid, e instala-se posteriormente na Galería Loewe de Barcelona, de 8 de setembro a 9 de novembro.

Um dos maiores nomes da fotografia de moda da segunda metade do século XX, Lillian Bassman distinguiu-se pelas suas imagens de fortes contrastes, com efeitos de aclaramento e desfocagem, conseguidos através da manipulação química do negativo. De 1940 a 1960, trabalhou como fotógrafa de moda e diretora de arte na Harper’s Bazaar. Na Junior Bazaar, trabalhou com Richard Avedon, Robert Frank, Faurer Louis, Arnold Newman e Paul Himmel.

No início dos anos 70, integrou o seleto grupo dos mais importantes fotógrafos de moda do século XX. Todavia, desiludida com os costumes do final dos anos 60 e cansada do mundo da moda, destruiu grande parte da sua coleção de negativos. Segundo ela, já não havia margem para a experimentação e por isso decidiu dedicar-se a projetos fotográficos pessoais. Começou a usar a câmara escura e a tirar fotografias de si própria, jogando com a abstração das imagens e evocando um mundo de sonhos sensuais.

Foi apenas no início da década de 1990 que Lillian resolveu recuperar as suas antigas fotos com técnicas de Photoshop. Manipulou imagens, descoloriu planos de fundo, aumentou contrastes, desenhou e criou diferentes efeitos pictóricos, deixando tudo mais etéreo do que originalmente. "Eu estava interessada em criar uma visão que ia além do que a câmara via. Esta forma de tratar a fotografia resulta da minha experiência com o desenho e a pintura", afirmou Lillian Bassman, que combinou disciplinas como a pintura e o desenho com a dança, e integrou-as no seu trabalho como fotógrafa para criar uma linguagem única.


Sem comentários: