sexta-feira, 28 de março de 2008

EXPOSIÇÃO ITINERANTE CHANEL

Hong Kong foi a cidade escolhida pela casa Chanel para inaugurar a sua exposição itinerante. A opção mas não foi, decerto, casual. As grandes lojas de luxo de Hong Kong são as que obtêm melhores resultados de vendas em todo o mundo. O pavilhão Chanel Mobile Art permanecerá em Hong Kong até ao próximo dia 5 de Abril, para depois prosseguir com a sua viagem pelas principais cidades do mundo - Tóquio, Nova Iorque, Los Angeles, Londres, Moscovo e Paris - durante dois anos.

O que se vê no interior do futurista edifício com aspecto de cápsula? A imponente estrutura desenhada pela célebre arquitecta iraquiana, Zaha Hadid, alberga o trabalho de 20 artistas. Chanel impôs uma única condição quando os contactou: as suas obras deviam basear-se na bolsa 2.55, desenhada em 1955 por Coco Chanel.

A partir daí, não houve limites para a imaginação: “The Sidewalk”, de Leandro Erlich (Argentina) apresenta fotografias que reflectem o ambiente da loja Chanel da Rue Cambon, em Paris, enquanto que “At the bottom”, do artista japonês Tabaimo, desenha uma série de misteriosos objectos que flutuam no vazio e representam os sonhos dos clientes e admiradores da marca.

Em suma, trata-se de uma exposição que se serve das novas tecnologias para mostrar a estreita relação entre a Arte Moderna e a Moda.

2 comentários:

Tom disse...

Era bom que também viesse cá a Lisboa....

AnaAtlantis disse...

..Mais uma vez a Casa Chanel é pioneira na criatividade,na originalidade e, no bom gosto.
A moda é arte e a arte não tem modas,tem alma.