sexta-feira, 7 de março de 2014

SANGUE NOVO | CATARINA OLIVEIRA


COLEÇÃO OUTONO/INVERNO 14/15

DOWNLOAD PRESS RELEASE >



EM CONVERSA COM CATARINA OLIVEIRA

Daily ModaLisboa - Qual a importância de iniciativas como o Sangue Novo para a promoção do trabalho dos jovens designers de moda e o que representa para si integrar este projeto?
Catarina Oliveira - Este tipo de iniciativas fomenta o crescimento e a vontade dos jovens designers por saberem que através de plataformas como o Sangue Novo poderão alcançar o seu objetivo principal, que é dar a conhecer o seu trabalho. Permite chegar a um público muito diversificado e a promoção feita pela plataforma alicia o interesse em conhecer os mais novos. Consigo ouvir uma voz de fundo que me diz que quando se quer muito, nós conseguimos. E a possibilidade de voltar a integrar a Plataforma Sangue Novo, é o conseguir. Faz-me sentir uma maior responsabilidade no meu trabalho, pois é-me dada a oportunidade que muitos gostariam de ter.

- Qual o maior sonho que gostaria de alcançar a nível profissional?
Não é um sonho, mas um objetivo: conseguir um estágio/emprego numa empresa/marca mais direcionada para a indústria, pois acho que é fundamental para a minha carreira ganhar experiência, desafiar o que sei, aprender ainda mais com outras pessoas; ter contacto com outras realidades. Fazer um percurso em que o objetivo final (e este é o sonho) será um projeto (em fase embrião) com várias assinaturas jovens e promissoras.

- Na sua opinião, a Moda vê-se, sente-se ou vive-se?
Se não a vivemos não a sentimos, e se não a sentirmos não a vivemos. Está tudo interligado, pois de outra forma perderia sentido. A Moda é um todo.

- Qual foi a principal inspiração da sua coleção e quais as suas propostas para o outono/inverno 14/15?
Uma revolta interior dá o mote a Unfold. Um movimento semi-rude, semi aleatório, ao invés de espalhar o caos, se efetua a libertação do eu. É neste sentido que se manifesta a influência da obra do artista Boris Tellegen (também conhecido como “Delta”). Explora, em semelhança ao trabalho de Delta, a alteração dos materiais e a sobreposição de camadas, com formas não contínuas, mas que se completam visualmente. As peças interiores anatómicas, funcionando como uma segunda pele. Já os exteriores, intermediários entre o ser e o mundo, possuem um fit largo – quase oversize.





DESFILE





Sem comentários: