terça-feira, 26 de maio de 2009

EXPOSIÇÃO DE ARQUITECTURA CONTEMPORÂNEA JAPONESA EM LISBOA

Entre 1 e 30 de Junho, a sede da Ordem dos Arquitectos, em Lisboa, recebe a exposição "Processo (In)visível", que mostra a evolução de um projecto de arquitectura no contexto japonês.

A ideia foi inicialmente proposta pelos arquitectos portugueses Francisco Spratley e Tiago Borges e pelos japoneses Yoshihide Kobanawa (curador da exposição) e Kaoru Fujii, e elaborada posteriormente pela Secção Regional Sul da Ordem dos Arquitectos com o apoio da Fundação Japão, que financia, através da Embaixada nipónica em Portugal, programas de intercâmbio cultural internacional desde 1972.

Yoshihide Kobanawa foi curador da exposição de arquitectura contemporânea japonesa “Continuity versus mutation”, que integrou o programa da Bienal de Arquitectura de Bucareste, Roménia, em 2006. Vinte arquitectos japoneses foram convidados a reflectir sobre o que se deve manter para preservar a história e o que se deve mudar ou transformar para acompanhar a evolução da sociedade e nos adaptarmos ao futuro próximo.

Deste vasto tema resultou a nova exposição “Processo (In)visível”, que visa mostrar o processo de arquitectura e os diferentes intervenientes da sociedade contemporânea japonesa. Ao apresentar as diferentes fases de um projecto de arquitectura, permite entender como uma ideia se torna realidade. Enquanto numa exposição de arquitectura típica, se encontram desenhos técnicos, projectos e fotografias do projecto construído, a mostra “Processo (In)visível” pretende focar a relação estrita entre a arquitectura e os diferentes elementos que a definem – social, cultural, político e económico. Para tal foram convidados 10 arquitectos japoneses de diferentes gerações, de modo a ter um grupo diverso de propostas e soluções. A forma como cada arquitecto soluciona certas e determinadas questões em diferentes projectos origina um diálogo novo e dinâmico com a sua sociedade.

Os arquitectos representados são Kengo Kuma (nascido a 1954), Jun Aoki (1956), Kazuhiro Kojima (1958) + Kazuko Akamatsu (1968), Tetsuo Furuichi, Masahiro Harada (1973) + Mao Harada (1976), Kazuyasu Kochi (1973), Sou Fujimoto, Jun Igarashi (1970), Kimiko Inui (1969) e Hiroshi Sambuichi (1968).

Para os portugueses esta mostra constitui, segundo os organizadores, «a possibilidade de conhecer ideias e filosofias da cultura contemporânea japonesa» em que «paradigmas políticos, económicos e sociais recentes definem uma nova paisagem e criam alterações na relação entre os habitantes revelando maneiras de resolver e dar forma a conceitos bastante diversos».

A exposição é complementada com conferências a 1, 2, 4 e 29 de Junho, também na sede da Ordem dos Arquitectos.


Ordem dos Arquitectos Secção Regional Sul
Travessa do Carvalho nº 23 - Lisboa

Sem comentários: